Bahiatursa quer transformar o São João da Bahia em festa nacional Salvador 459 anos ~ Vai Bahia

sábado, 5 de abril de 2008

Por Aline Caravina e Tamires Fukutani

Construído de 1650 a 1728, o Forte São Marcelo é um dos monumentos mais curiosos de Salvador. A construção foi erguida sobre um banco de areia que já existia próximo ao ancoradouro do antigo porto da capital baiana, por conta do medo de uma possível invasão holandesa. De acordo com os registros históricos, somente após a construção do forte o Porto de Salvador passou a ser considerado seguro para o transporte marítimo.
O Forte foi erguido em cantaria de arenito até a linha d'água e em alvenaria de pedra irregular até 15 metros de altura. Em 1812, a obra foi concluída com a construção de um anel que circunda o torreão central do forte. O Forte São Marcelo é o único de formato circular das Américas, o que lhe rendeu o apelido carinhoso de 'O Umbigo da Bahia', criado pelo ilustre escritor Jorge Amado.
E foi diante de tanta história que as repórteres do iBahia.com, Aline Caravina e Tamires Fukutani, fizeram uma visita ao Forte São Marcelo e desvendaram o que há por trás dos muros que já tiveram prisioneiros ilustres. Quem mora em Salvador ignora a beleza e a riqueza histórica dos pontos culturais antigos da cidade. Os olhos já estão habituados a paisagens que são subestimadas, como a linda vista do Solar do Unhão ou a bela arquitetura do Elevador Lacerda.
Para mostrar aos soteropolitanos o que Salvador tem de bonito, a gente traz um diário de bordo do Forte São Marcelo. Este é um dos presentes que o iBahia.com oferece para a cidade de Salvador, que comemora 459 anos neste 29 de março.
DIÁRIO DE BORDO
25/03, 15h30 - Horário de chegada ao Mercado Modelo. Isso mesmo, no Mercado Modelo! Se você não se recorda, o Centro Náutico da Bahia fica logo em frente a este ponto turístico tão conhecido. E é de lá que a gente parte rumo ao Forte São Marcelo.


Obviamente, é necessário comprar a sua passagem para o Forte. Muito simples: no guichê 3, o voucher é vendido a R$10 (inteira) e R$5 (meia). O custo inclui a travessia de ida e volta, além do passeio acompanhado de um guia. E o melhor: você pode passar quanto tempo quiser dentro do Forte, que fica aberto das 9h às 18h. Numa planilha de custos, vale a pena gastar um pouquinho para ter acesso ao pôr-do-sol mais bonito da cidade!
Calma, quem tem medo de mar não precisa se assustar. A travessia é rápida: a escuna Só Alegria leva cerca de 5 minutos para chegar ao Forte. Nem dá tempo para ficar enjoado... Mais um aspecto que compensa a visita: bom, bonito e barato, como diz o ditado popular.
Durante a visita, fomos acompanhadas pelo coordenador administrativo do Forte, Edvaldo Caldas Carvalho, que faz parte da ONG Abrafe (Associação Brasileira dos Amigos das Fortificações Militares). Desde 2000, a ONG tem a autonomia de angariar recursos para a manutenção do monumento. Foi a Abrafe a principal responsável por conseguir patrocínio para que o Forte fosse reformado.
As obras foram providenciais! O forte estava abandonado, resultando numa perda de patrimônio histórico considerável para Salvador. No entanto, após as obras, o monumento novinho em folha foi reaberto à visitação - atividade que hoje sustenta a manutenção do Forte São Marcelo. Além do turismo, o aluguel do espaço para eventos também contribui para o sustento do ponto turístico, já que hoje não há patrocínio com esse fim. Existem alguns projetos de parceria com a Prefeitura Municipal de Salvador e o Governo do Estado, mas ainda não há iniciativas concretas de apoio ao Forte.
Ao desembarcar no pier, fomos logo conhecer a história do lugar. O primeiro ponto que conhecemos foi uma das salas que antigamente era usada como cela. O lugar sem janelas, bem pequeno e quente, já chegou a aprisionar cerca de 125 homens, dentre eles nomes conhecidos como Bento Gonçalves, Cipriano Barata e o Barão de Sergy.
Obs.: Ao contrário do que a minissérie A Casa das Sete Mulheres contava, o líder da revolução do Rio Grande do Sul Bento Gonçalves não fugiu do Forte nadando! Muita calma nessa hora! O mocinho saiu da prisão pela porta da frente, escoltado por militares, após dois dias (e não quatro, como foi retratado na minissérie). Confusões históricas à parte, o lugar é um cubículo e fazia um calor danado... Pobres prisioneiros.
Seguindo o roteiro, encontramos mais 9 celas que foram divididas em memórias. As três primeiras se dedicam às Memórias do Mar: lá, é possível encontrar informações sobre os naufrágios da baía de Todos os Santos, as rotas de comércio da época das Grandes Navegações, além de objetos de viagem utilizados nas caravelas.
As três celas seguintes retratam as Memórias da Cidade: aqui há um panorama histórico da cidade de Salvador, com direito a maquete e recursos audiovisuais! É uma boa chance de saber mais destes 459 anos de história, com fotos antigas da capital baiana e uma linda vista das janelinhas que emolduram diferentes cartões postais da cidade.
As últimas três celas são dedicadas às Memórias do Forte. Lá encontramos objetos que retratam toda a história do monumento e dos militares que passaram por lá. Tem até um canhão original de 1630! É muita história em um lugar só!
Após o momento educativo, fomos para a melhor parte do passeio: subimos uma rampa que tira o fôlego de qualquer atleta. Para se ter uma idéia, os funcionários do Forte levaram dois dias para transportar um canhão para a parte superior do monumento.
Lá de cima, a gente tem uma vista privilegiada de toda a Baía de Todos os Santos: desde o Farol da Barra à Ponta de Humaitá. São 360º de pura beleza e história. Isso sim é de tirar o fôlego!
Obviamente, também é possível ver todo o Forte de cima. O torreão central era utilizado para o abastecimento de água local, utilizando a chuva como fonte. Até pouco atrás, o mecanismo ainda era utilizado com o mesmo fim em épocas de falta de abastecimento!

25/03, 16h30 - Finalizando o passeio. Para encerrar a visita, nada melhor que uma boa refeição no restaurante do Forte! O Buccaneros funciona de terça a domingo, das 12 às 16h e das 19h às 00h. De quinta a sábado, o restaurante abre das 12 às 01h. O ambiente é super agradável e a vista das conhecidas janelinhas ajuda ainda mais.
Uma hora de cultura, história e apreciação da beleza de Salvador. Conforto, pôr-do-sol e diversão. A capital baiana faz aniversário e nós é que ganhamos o presente! Se você está por aqui ou - ainda melhor - mora na cidade, não pode deixar de conhecer o Forte São Marcelo! Salvador não se restringe ao Pelourinho, o Farol da Barra ou à Praia de Itapuã. Soteropolitano que se preza - de coração ou de nascença - tem o dever de valorizar o patrimônio que a terra oferece de bom grado. Tire uma tarde de Sábado e se deixe levar pela brisa do Forte! Pode confiar: você não vai se arrepender.
COMO CHEGARLocal: Forte São Marcelo - Baía de Todos os SantosHorário de visitação: todos os dias, das 9h às 18h, inclusive feriadosVenda de voucher: Centro Náutico da Bahia, Av. da França, s/n, comércio - guichê 3Valor: R$10 (inteira) R$5 (meia)
RESTAURANTELocal: Restaurante Buccaneros - Forte São MarceloHorário de funcionamento: terça-feira a domingo, das 12h às 16h e de quinta-feira a sábado, das 12h à 01h.Venda de voucher: Centro Náutico da Bahia, Av. da França, s/n, comércio - guichê 3Valor: R$10 (inteira) R$5 (meia), em horário de funcionamento do Forte São Marcelo.Obs.: para ir apenas ao restaurante Buccaneros , após o horário de funcionamento do Forte São Marcelo o voucher custa o valor único por pessoa de R$3.