Bahiatursa quer transformar o São João da Bahia em festa nacional Segundo dia da Flica terá mesas sobre mercado e gêneros literários ~ Vai Bahia

quinta-feira, 30 de outubro de 2014

Jornalista Consuelo Dieguez e o professor Wilson Gomes abrem debates.
Evento ainda conta com ampla programação na Fliquinha e shows musicais.

Do G1 BA

A programação do segundo dia da Festa Literária Internacional de Cachoeira, realizada na cidade do recôncavo baiano, de 29 de outubro a 2 de novembro, começa às 10h, com a mesa "O país do compadrio". Na ocasião, a jornalista Consuelo Dieguez e o professor da Ufba Wilson Gomes vão discutir sobre os limites da camaradagem comum às famílias brasileiras.
Às 15h, é a vez da segunda mesa do dia, cujo tema é "Bibliodiversos". O debate trará a escritora baiana Kátia Borges e o autor catarinense Carlos Henrique Schroeder, que vão trocar experiências sobre a variedade dos gêneros e assuntos literários.
Para discutir sobre os processos editoriais, a existência ou não de linha editoral, Carlos Andreazza, da editora Record, e Valéria Pergentino, da Solisluna, vão discutir sobre a influência (ou não) de interesses comerciais na grade de lançamentos das publicações. De acordo com a curadoria da festa, essa mesa, a última do dia e marcada para começar às 19h, promete ser uma das mais polêmicas da Flica. Andreazza é responsável pela publicação de livros de grande sucesso como Esquerda Caviar, de Rodrigo Constantino, e O mínimo que você precisa ler para não ser um idiota, de Felipe Moura Brasil.
As atrações da Fliquinha, no segundo dia de evento, começam às 9h30, com o lançamento do livro "A dona das águas", além de contação de história com autores quilombolas. Das 10h30 às 17h30, serão realizados diversos bate-papos com os escritores Cyro de Mattos, Luis Augusto e com o escritor mirim Lucas Yuri. às 17h30 começa uma oficina musical, com Gabriel Macedo, e às 19h está marcada uma palestra para professores, com Heloisa Prieto.
A programação musical começa às 22h, como grupo Transcendental, uma big band de jazz contemporâneo que mistura influências de filarmônicas e candomblé. Às 23h20 o ator Jackson Costa exibe sua arte na performance chamada "A coisa", na qual interpreta poemas de várias épocas, acompanhado por uma banda de música popular contemporânea, formada por sintetizador, teclado, guitarra, violão, baixo e percussão.
Todas as mesas literárias da Flica serão realizadas no claustro do Conjunto do Carmo, no centro da cidade.

0 comentários: